Mica[h]: nómada por escolha própria

A olho nu, assim que a fotografia nos apanha, arduamente nos desenvencilhamos desse enredo visual que é, na verdade, uma teia de inquietações do espírito. Mica[h] é Micaela Sousa, mas também é Nomadic by Choice, uma cientista que (re)nasceu fotógrafa.

Mica[h] é cientista na área da microelectrónica e estudos de fiabilidade, algo que, para o comum dos mortais fora deste domínio, pode ser extenuante só de escutar.

ALMANAQUE - Mica[h] - Nomadic by Choice

Mica[h] / ‘Silence, it speaks volumes’, cortesia R. Mendonça

A fotografia lá se ia esgueirando pelos curtos períodos de tempo livres, que aconteciam com frequência rara. Mas foi em 2013, após perder dois familiares muito próximos num intervalo de apenas três dias, que Mica[h] percebeu que algo deveria mudar.

ALMANAQUE - Micah[h] - Nomadic by Choice

’17 Days’

«A partir daí, tudo mudou. Percebi, a uma determinada altura, de que algo tinha de ser feito para escapar a uma espiral de dor. Foi aí que viajei para um dos lugares mais isolados e remotos, a Islândia, onde acabei por materializar o projecto ‘Turning Point’. A viagem e, consequentemente, este projecto foram fundamentais por razões várias. Percebi o quanto a dor é absolutamente fundamental para o crescimento. Bonita, até. A fotografia entrou aí».

ALMANAQUE - Micah[h] - Nomadic by Choice

’17 Days’

ALMANAQUE - Mica[h] - Nomadic by Choice

‘A place for healing’

«A razão pela qual decidi mudar o meu foco principal para a fotografia – fazendo uma pausa na ciência – foi justamente a necessidade de expressar algo que existia dentro de mim. Acreditava que só dessa forma conseguiria compreender-me melhor e, subsequentemente, como coexisto com a restante sociedade».

Nasceu em Portugal, fez um doutoramento em Oxford e vive actualmente em Berlim. Três vidas separadas por distâncias incalculáveis, pois nem só de limites físicos se fazem as pessoas. Estes vários pontos de viragem tiveram um peso inestimável na forma de estar de Mica[h], tanto a nível pessoal, como profissional, ou seja, na fotografia.

Sou também um pouco viciada em recomeços – especialmente geográficos. Neste momento, é uma filosofia de vida. É simplesmente libertador.

ALMANAQUE - Mica[h] - Nomadic by Choice

‘The greatest deception is to the self’

«Aprendi a viver – e a gostar de viver – fora da minha zona de conforto. Existem mais ideias, mais oportunidades, maior possibilidade de evolução. Antes de deixar Portugal, em Janeiro de 2008, a minha dita zona de conforto mantinha-me numa posição muito previsível. Era um espaço muito limitado, conhecido, (ilusoriamente) controlado, pouco vulnerável a riscos. Deixar essa esfera promoveu uma maior confiança em todas as áreas da minha vida. Sou também um pouco viciada em recomeços – especialmente geográficos. Neste momento, é uma filosofia de vida. É simplesmente libertador».

ALMANAQUE - Micah[h] - Nomadic by Choice

‘The greatest deception is to the self’

O instagram, por seu turno, talvez tenha ido tão depressa quanto chegou. Mesmo sendo uma das plataformas mais dinâmicas e incríveis dos dias de hoje, Mica[h] já não o encara da mesma maneira, ainda que tenha sido seleccionada para uma exposição colectiva com outros 19 artistas em Berlim, ‘#berlin’.

«O instagram é particularmente sedutor devido à natureza imediata das interacções. Esse tipo de atenção chega a ser inebriante. Deixei de sentir afinidade com essa natureza imediatista da plataforma e isso é visível na forma como uso o instagram nos últimos oito meses: somente como ferramenta de divulgação do meu trabalho».

ALMANAQUE - Mica[h] - Nomadic by Choice

‘Turning Point’

«A fotografia que apresentei na exposição, ‘Impermanence’, reflecte um pouco essa transição. Foi uma fotografia pensada, estudada dias a fio, antes de ser executada – uma prática que tenho vindo a aplicar em projectos mais recentes, pois (quase) tudo já foi fotografado, mas nem tudo foi pensado. No fim, esse “esforço” teve o seu payoff, já que a fotografia, concebida numa edição limitada, não só esgotou como foi a best seller da exposição. A partir desse momento, surgiram algumas oportunidades, como, por exemplo, o convite para fotografar um show da Mercedes Berlin Fashion Week».

Mica[h] admite que grande parte dos projectos fotográficos decorre de vivências pessoais, apesar de saber – e querer – que cada observador vai interpretar a sua fotografia com base na sua visão do mundo. «Isso vai sempre acontecer independentemente da mensagem que eu tente incorporar no meu trabalho visual. Gosto de pensar que não tenho de deliberadamente incluir uma mensagem, esperando, ao mesmo tempo, que a minha essência encontre um caminho para chegar à superfície», remata.

Gosto de pensar que não tenho de deliberadamente incluir uma mensagem, esperando, ao mesmo tempo, que a minha essência encontre um caminho para chegar à superfície.

Para quem está deste lado, sedento de mais, os projectos que do seu talento advêm nunca são demasiados, apesar de a própria considerar que sim, até certo ponto. Um dos preferidos é ‘The greatest deception is to the self’, uma série que transporta consigo um carácter de ligação ao passado «no que diz respeito a expectativas. Tentar corresponder às expectativas de outros pode ser perigoso, podendo colocar em risco a criação de um determinado trabalho visual. As minhas melhores criações surgem exactamente de um cenário em que isso não acontece».

ALMANAQUE - Mica[h] - Nomadic by Choice

‘Give in’

«O projecto ‘Beauty kills your focus’, no qual estou a trabalhar desde o Verão passado, é outros dos meus favoritos. Este é também o projecto favorito da minha Mãe. Aliás, foram a sua dedicação e a paixão por plantas que me inspiraram a fazer esta série, combinando estética e activismo, retratando a biodiversidade e a vulnerabilidade face à extinção».

ALMANAQUE - Mica[h] - Nomadic by Choice

‘Beauty kills your focus’

Para além destes, Mica[h] tem uma série de outros projectos fotográficos em mãos, obras visuais em persistente movimento e construção, como o ‘Displacement’, que pretende «explorar uma espécie de dualidade», no sentido de ter as raízes em Portugal e continuar a crescer noutros sítios – «e tudo o que isso implica». Há um outro projecto que iniciou há cerca de dois meses e cuja abordagem é completamente nova para Mica[h], esperando revelar o resultado ainda em Junho.

ALMANAQUE - Mica[h] - Nomadic by Choice

‘Berlinale’

ALMANAQUE - Mica[h] - Nomadic by Choice

‘Turning Point’

«A minha vida, neste momento, é um caos organizado. Planear e organizar retira-me a capacidade de criar e de ter novas ideias para projectos, e, a partir do momento em que me sinto segura em relação a algo em que estou a trabalhar, é porque não estou a trabalhar no que devia. Estou verdadeiramente focada em ver como a minha fotografia evolui de projecto para projecto. Vou continuar a ouvir a minha inner voice – acredito que o melhor trabalho criado tem sempre origem num lugar que não é visível a ninguém para além de mim. Enquanto continuar a fazer isso, é tudo o que importa em termos de realização pessoal».

Fotos ⓒ Nomadic by Choice

Leave a comment