Chá, meu amor: Chá de Rosas da China

As lojas de bairro especializadas em cafés, chás, produtos regionais e de fabrico artesanal, como biscoitos, mel, rebuçados, chocolates ou sementes, flores e frutos secos, apresentam cada vez mais qualidade dos produtos vendidos e uma selecção mais apurada e cuidada.

ALMANAQUE - Chá, meu amor - Chá de Rosas da China

Nestas lojas, como a Casa de Cafés Solposto ou a Pérola do Chaimite, os amantes de café e de chá descobrem lotes e misturas que surpreendem e que cativam para lá do charme das marcas internacionais mais prestigiadas.

ALMANAQUE - Chá, meu amor - Chá de Rosas da China

ALMANAQUE - Chá, meu amor - Chá de Rosas da China

A descoberta mais recente fez-se na Pérola do Chaimite, mítica casa da Avenida Duque de Loulé, em Lisboa. É o ‘Chá de Rosas da China’, uma mistura de chá preto com rosas de uma simplicidade elegante, sem pretensões e muito honesta. Surpreende pelo equilíbrio que revela e pelo seu carácter muito maduro. A densidade do chá preto não se impõe nem o aroma floral das rosas é demasiado intenso, alcançando-se a harmonia dos ingredientes para uma chávena de chá perfeita.

Uma mistura muito aromática que se bebe tanto no rigor do Inverno como nos nostálgicos dias de Outono, ou nos dias de azul celeste da Primavera ou do Verão. E como foi em Junho que se trouxe para casa este ‘Chá de Rosas da China’, as cerejas revelaram-se excelente companhia para esta bebida.

*

A que nasce é a rosa inesperada;
a que morre é a rosa consentida;
só quando não aparece passa a vida,
porque o vento letal é a olhada.
Quanta rosa segura não é nada!
Se não é só a rosa pressentida…
Se Deus sopra à rosa e sopra à vida
pelos olhos do cego… rosa amada!…
Tão triste e terna, a rosa verdadeira
é o triste e o terno sem figura,
nenhuma imagem sob a luz primeira,
Ao desejá-la, desfolha-se o desejo…
E quem a vir esquece e ela dura…
Ai, que assim é a Rosa e não a vejo!…

Martín Adán, traduzido por José Bento in Rosa do Mundo – 2001 Poemas Para o Futuro, Edições Assírio & Alvim, 3ª edição Agosto 2001
Fotos (c) Colectivo 71.86

Leave a comment